O perfil do porteiro mudou: descubra quais são as habilidades essenciais

Porteiro - novas habilidades

Quando você pensa na figura do porteiro, o que vem em mente é aquele senhor(a) que fica sentado atrás de uma mesa recebendo correspondências e pessoas? Pois então está na hora de rever os seus conceitos! O perfil do porteiro atual mudou e algumas habilidades são essenciais para uma boa atuação.

Dificilmente hoje se vê um profissional na portaria que não entenda nada de tecnologia, por exemplo. Em seu lugar, estão os perfis mais jovens que possuem smartphones, se conectam às redes sociais e acessam os mecanismos de busca quando necessário.

Ou seja, estão mais dispostos a consumir informações e têm vontade de crescer e serem promovidos. Hoje eles querem evoluir na profissão, atuando como possíveis chefes de portaria ou supervisores operacionais. Uma característica em comum atualmente é a ambição e a vontade de crescer.

E quais são as características de um bom porteiro? Algumas delas, mais gerais, são um bom porte, boa postura, educação, formação em cursos especializados, conhecimentos gerais de informática e controles de portaria.

Qualidades específicas

Além das qualidades essenciais para se atuar como um bom porteiro, algumas outras características podem agregar e fazer com que o currículo desse profissional fique mais rico, proporcionando assim melhores oportunidades. Confira quais são elas:

Discrição

Como o porteiro tem contato com todas as pessoas que entram e saem de residências ou empresas, acaba ficando a par de uma série de situações. A melhor forma de lidar com isso é sendo discreto, não fazendo comentários intrusivos ou comentando problemas de terceiros. Amizades podem acabar acontecendo, mas o ambiente profissional deve ser priorizado.

Responsabilidade

O profissional que cuida de uma portaria deve ser altamente responsável, estando atento às pessoas que entram e saem do seu local de trabalho e passando confiança àqueles com quem se trabalha e convive. Ele deve ser uma espécie de guardião em que todos confiam.

Boa memória

Com o passar do tempo em uma portaria, o porteiro acaba conhecendo aquelas pessoas que têm acesso à residência ou ao trabalho frequentemente. E para isso é necessário ter boa memória. Porém, no começo do trabalho ou na fase de adaptação, assim como sempre que surgir uma dúvida, é essencial pedir a identificação.

Boa comunicação

Um bom porteiro deve ser profissional, porém ao mesmo tempo simpático e amigável. Além disso, deve estar sempre disposto a ajudar, criando assim empatia.

Diferenças entre porteiro residencial e corporativo

Há também outro detalhe importante no que diz respeito à atuação do porteiro. Ela deve ser diferente nos ambientes residenciais e corporativos. No caso das residências, suas atribuições dizem respeito à identificação e liberação de pessoas e veículos e recebimento e encaminhamento de correspondências.

Já no âmbito corporativo, suas funções vão além disso. No caso das indústrias, por exemplo, ele deve, além de realizar as ações acima, também fazer o controle de carga e descarga, controle de notas fiscais e de movimento do pessoal contratado.

Porteiro e a tecnologia

Como comentamos no início do post, dificilmente hoje encontramos um profissional de portaria que não entenda nada de tecnologia. E, caso isso aconteça, é um ponto negativo.

Isso porque, na mesma medida que a violência vem aumentando, os sistemas de segurança automatizados crescem na mesma proporção. E, caso o porteiro não tenha habilidades básicas, não conseguirá utilizá-los e nem acioná-los quando necessário.

Hoje, para ser um bom porteiro, além de todas as qualidades citadas acima, é fundamental ter um conhecimento básico de informática, seja para operar sistemas de segurança ou softwares de controle de acesso, por exemplo.

Resta aos profissionais se atualizarem e aos empregadores, sejam eles de condomínios residenciais ou ambientes corporativos, analisarem os perfis e verificarem se o profissional possui as habilidades necessárias.

E, nesse caso, a terceirização tende a ser a melhor opção, uma vez que os profissionais já são  treinados, recebem atualização constante e o condomínio residencial ou empresa ainda tem o benefício da rápida  reposição em caso de ausência, doença e  demissão, além da redução de custos com passivos trabalhistas.

Mas antes de contratar uma empresa terceirizada é preciso tomar alguns cuidados para não atrair prejuízos. Quer saber qual? Clique aqui

Não há comentários, Seja o primeiro!

Seu endereço de e-mail não será publicado.