Empresa de Segurança: 5 itens para conferir antes de contratar

Vigilante empresa de segurança

A contratação de uma empresa de segurança patrimonial requer muita atenção de empresas e condomínios. A falta de idoneidade de algumas prestadoras de serviço pode gerar insegurança, além de prejuízos financeiros. Confira os cinco pontos que merecem análise cautelosa:

1 – Histórico da empresa de segurança

Tempo de atuação da empresa no mercado é um bom dado referencial, uma vez que a sobrevivência no mercado está diretamente ligada à capacidade estrutural e financeira da empresa, além de sinalizar gestão adequada.

O fator tempo também deve ser observado em relação aos contratos com clientes. Empresa que mantém contratos por longos períodos com mesmo cliente, sinaliza qualidade do serviço prestado e idoneidade da empresa.

É sempre recomendável solicitar o contato de alguns clientes com os quais possa obter referência sobre a empresa a ser contratada.

2 – Documentos importantes

Para se contratar uma empresa de segurança é importante consultar a sua saúde financeira e o cumprimento dos deveres legais. Empresas que não estejam saudáveis podem gerar prejuízos para contratantes, uma vez que tem responsabilidade compartilhada. Sendo assim, é importante observar:

– Cartão de CNPJ atualizado da matriz e filiais

– C.R.F – Certidão de Regularidade do FGTD vigente

– Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos às Contribuições Previdenciárias e as de Terceiros

– Certidão Negativa de Falência e Concordada

– Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT), expedita pela Justiça do Trabalho, nos termos da lei nº12440/2012

 

3 – Certificado de Regularidade em Segurança (CRS)

Conferido pelo Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação de Estado de São Paulo – SESVESP,  para receber essa certificação a empresa de segurança precisa comprovar, junto a uma certificadora independente, que sua atuação está de acordo com as regras estabelecidas pelo Ministério da Justiça. Entre elas, vigilantes treinados e reciclados periodicamente, que a empresa não está envolvida em eventuais processos criminais pela contratação de segurança irregular, que o piso salarial é respeitado e não possui qualquer ônus junto a órgão públicos, como dívidas com o INSS ou FGTS.

4 – Disponibilidade de funcionários

Os profissionais são essenciais para a eficiência do serviço de segurança, por isso, além de disponibilizar homens suficientes para atender o contrato firmado, é necessária disponibilidade de funcionários sobressalentes pra atender situações extraordinárias.

Os vigilantes devem ser constantes atualizados e obrigatoriamente realizar cursos em academiais especializadas devidamente registradas na Policia Federal a cada dois anos.

O Certificado Nacional de Vigilante é o documento emitido pela Polícia Federal que atesta que o profissional está em dia com as obrigações legais exigidas pela função.

5 – Equipamento e Armamento

Veículos novos, rádios e armamentos modernos são importantes para a execução das atividades de segurança, aumentando as garantias de que a empresa dispõe de recursos necessários para a execução dos serviços com eficiência.

Riscos para o contratante

A contratação de empresas clandestinas ou não estruturada para a prestação de serviço de segurança pode trazer prejuízos como: exposição ao risco, acidentes provocados por profissionais despreparados atingindo a si mesmo ou terceiros, prejuízos com indenização trabalhistas e multas por contratação de empresa clandestina, em caso de fiscalização, entre outros.

Gostou desse conteúdo? Então que tal baixar um Guia de Boas Práticas para Segurança Corporativa? Clique aqui e saiba como proteger melhor as pessoas e o patrimônio.

Não há comentários, Seja o primeiro!

Seu endereço de e-mail não será publicado.